sexta-feira, 4 de julho de 2014

Atualização Mensal - Junho de 2014

Minha homenagem a essa seleção que lutou muito hoje!

Nobres leitores do Blog d'El Rei!

Terminamos o semestre desse ano que passa mais rápido que os acréscimos do jogo Brasil x Colômbia! Se o menino James estivesse inspirado hoje as coisas poderiam ter sido diferentes, não acham? E essas colombianas! Já sabia da beleza da mulher colombiana através dos diversos sites de putaria (Esperanza Gomes e cia, mas essa da foto inicial acho que não é colombiana) e agora coloquei na minha "fucking list" que devo comer uma colombiana top um dia. Quem sabe isso não acontece nas próximas férias de El Rei?

Johanna Maldonado: colombiana top! Dá pra acreditar que tem boneco que não daria uma lambida nela? Quem acompanha, sabe para quem foi a indireta... rs

A carteira teve um bom comportamento esse mês. Resolvi forrar os bolsos com GGBR4 e estou perto encerrar as compras. Creio no potencial da empresa e acredito ser um excelente momento para se posicionar nela. A venda coberta foi complicada. Vendi fundo em PETRG20 e BBDCH35 e só aguentei a pressão por conta do bom lastro das operações. A PETRG20 deve chegar no alvo de lucro nos próximos dias (ou não rs), mas a BBDCH35 está numa zona perigosa ainda. A venda de opções tem gerado bastante controvérsia na Blogosfera, com defensores e atacantes vorazes, sendo o nome do Bastter sempre muito citado. Não vou me estender muito no assunto, pois pretendo fazer um post impessoal com algumas considerações. Impessoal, certo Dimarcinho?

Meu tesão nas chicas colombianas está tão grande que preciso compartilhar mais uma imagem.
Numbers, please, Your Grace!



Foi uma bela estilingada patrimonial e acho que já posso começar a pensar na comemoração dos R$ 600 mil, quiçá R$ 700 mil ainda esse ano! Variação patrimonial positiva de +4,26% com aporte ou +2,95% sem o aporte de R$ 7 mil. O anual está em apenas +5,55%. Pouco, mas acima do Ibov, que performou apenas +3,22% neste primeiro semestre.

Reação das colombianas ao contemplarem meu patrimônio...
Posição atual da carteira d'El Rei:



Resumo:
Aporte do mês: R$ 7.000,00
Proventos: R$ 52,78 de BBDC4 (mês magro... rs) - média mensal em 2014 igual a 13,88% do salário - meta: 100%
Bruto com opções: lucro de R$ 960,00 (ganhos em GGBRG45 e GGBRH45). Posição permanece aberta em PETRG20 (0,18), BBDCH35 (0,39).
Compras: 700 GGBR4 a 13,86.
 
Não deixem de conferir o ranking do Victor "Guardião é o caralho" Fox, aqui.
 
Meu banner no blogroll do Sonny "Cardosinho" Bonno! Ele captou o espírito... rs De longe é o blogroll mais criativo da Blogosfera!
 
 
Um abraço d'El Rei!

“Deus fez as mulheres belas. O diabo as fez espertas.”
- Leonid S. Sukhorukov (2 de janeiro de 1945), escritor ucraniano -

sábado, 7 de junho de 2014

A Armadilha da Renda Média


Série Musas da Copa: será que o Poney lambedor de focinho rosado vai aprovar essa? rs


Lendo os debates sobre economia na Blogosfera e também participando em alguns círculos sociais, percebi que muitas pessoas possuem uma visão bastante incompleta sobre determinados assuntos. Há uma tendência natural ao exagero e crença infundada quando se trata de notícias e perspectivas futuras negativas. Por outro lado, a memória curta  faz sempre parecer que o presente é pior do que o passado. Por exemplo, poucas pessoas se lembram que o último ano do mandato de FHC foi marcado por uma inflação de 12,50% aa, porém, atualmente, Dilma é acusada de ser excessivamente tolerante com a alta dos preços, mesmo entregando uma inflação de 5,91% aa em 2013.

A situação enfrentada pela economia brasileira foi batizada de armadilha da renda média e já dura umas 4 décadas. O objetivo do post, então, é mostrar, de forma sintética, como os pessoas são superficiais quando culpam isoladamente qualquer governo pelo quadro de baixo crescimento econômico do País.

Mas o que é armadilha de renda média?

Basicamente, é a região onde um país deixou de ser pobre, mas ainda está muito distante das nações mais ricas. Ela ocorre após nação experimentar uma fase de grande crescimento econômico, deixando a armadilha da pobreza, para então adentrar uma situação onde não consegue mais alterar sua renda.


Brasil está próximo ao topo, mas ainda preso à faixa de renda média

Após a Segunda Guerra Mundial, durante a Era de Ouro do Capitalismo, o Brasil experimentou a fase da decolagem, ao sair da fase da pobreza, crescendo a taxas médias de 7% aa até 1960, entrando na renda média. O motor desse crescimento foi a mão-de-obra farta e barata, acompanhado de intenso êxodo rural e altos retornos decorrentes de acumulação de capital.

Entretanto, a mão-de-obra começou a ficar mais cara e menos abundante na década de 1970, período marcado por diversos acontecimentos internacionais (fim dos acordos de Bretton Woods, crise do petróleo, aumento no consumo de produtos manufaturados, etc). Logo, o Brasil se viu em uma situação difícil, pois começou a enfrentar problemas de competição internacional em setores de menor valor agregado e também não avançou para o patamar seguinte, por não possuir inovação tecnológica suficiente para competir com os países mais desenvolvidos. Um quadro difícil de ser superado e que dura até os dias atuais, levando a um crescimento muito abaixo do verdadeiro potencial (ou até queda) do país.

A Coréia do Sul é o exemplo clássico de país que escapou da armadilha. Há 40 anos, começou a investir massivamente e ininterruptamente em educação de base e tecnologia, incentivando o capitalismo inovador. O Brasil, ao contrário, apostou em forte intervencionismo e protecionismo, resultando em inchaço estatal e relegando a educação a uma situação marginal. Houve pontuais mudanças na década de 90 e 2000, porém insuficientes para dar forças a um crescimento robusto e constante, graças aos graves entraves burocráticos impostos a classe empreendedora.



É possível notar os sinais do esgotamento do modelo atual baseado em incentivo ao consumo, porém com baixa produtividade e aumento do custo da mão-de-obra. Os rolezinhos e os protestos por aumento salarial de dezenas de categorias, além da "fuga de cérebros" - tanto para fora do país quanto para o serviço público, consequência do inchaço estatal -, são sinais claros de que há uma grande demanda reprimida no país. O gargalo é justamente a tecnologia, que para se desenvolver requer trabalhadores mais especializados com nível superior. A maior intervenção na economia e a sensação de que vivemos uma "ditadura disfarçada" é consequência da fase de declínio experimentada pelo Brasil pós-2008.

Existe solução?

A resposta é sim, mas não existem fórmulas prontas. Seguir o roteiro da Coreia em nada garante que nos tornaremos uma economia rica. Ou alguém acha que a Samsung vai observar a ascensão de uma indústria genuinamente brasileira de celulares e ficar parada? Onde está a fábrica de semicondutores que seria instalada pelos japoneses? Capitalismo é baseado em competição e meritocracia. Não será nada fácil competir com economias já estabelecidas.

Mesmo que o Brasil invista em massivamente em educação (não apenas em formação superior como tenta fazer atualmente) e inovação tecnológica, existem muitas forças internas contrárias ao movimento. São os "monstrinhos" criados pelo modelo intervencionista predominante, como a dificuldade para contratar e dispensar empregados causados pela política trabalhista altamente paternalista. Os privilégios do funcionalismo público encarecem e incham o aparelho estatal, roubando cérebros, como dito acima. Por que diabos algum engenheiro vai se arriscar na atividade empresarial se pode prestar concurso público com estabilidade e salário inicial de R$ 12.000?

Conclusão

O cerne da questão é a mentalidade arcaica do brasileiro quando se trata de aceitar desafios. Tendemos a acreditar que é possível enriquecer num cenário estagnado. Não é. Ou o país muda, ou as coisas vão ficar feias por aqui. Não é possível alcançar um patamar de vida elevado a custa de elevadas taxas de juros, educação de baixa qualidade, instituições públicas obsoletas, previdência pública excessivamente assistencialista e política que beira ao coronelismo, com corrupção generalizada. Porém, mudar tantos paradigmas - e com rapidez - requer medidas extremamente impopulares. Não é coincidência que ninguém ousa fazer profundas reformas políticas, tributárias, previdenciárias, trabalhistas e educacionais. Ao escolher privilegiar pequenos grupos, o País se autossabotou numa espiral de troca de favores particulares em detrimento de uma consciência de grupo. Logo, jogar a culpa na ditadura militar ou em qualquer partido isoladamente é falta de visão histórica do processo com um todo.

A mudança será dolorosa, mas deve ser abraçada por todos.

Onde isso influencia minha decisão de investimentos?

Mesmo sem saber se escaparemos da armadilha, acredito ser possível se preparar para alguns cenários. Apesar de ter uma visão otimista, creio que passaremos por um período de mudanças drásticas. Pessoalmente, creio até mesmo que uma nova constituição poderá surgir, pois a autonomia política municipal é extremamente cara e danosa ao País. Portanto, diante de um futuro nebuloso e incerto, com a possibilidade de reformas profundas (elas deverão acontecer, mas não sabe quando), não me sinto seguro para alocar muito dinheiro em títulos públicos de longuíssimo prazo, como 2035 e 2050. Farei um mix de títulos pré e pós com vencimento máximo de 10 anos, com um pequeno percentual em títulos de longuíssimo prazo. Por outro lado, minha alocação em setores ligados a commodities não ultrapassará 15% da carteira de ações ou 4% do patrimônio total.

Com o fim das benesses do setor público, também será necessário desenvolver outra atividade paralela. Dificilmente minha função será atingida, por se tratar de serviço essencial, mas nada é impossível. Logo, devo continuar aportando violentamente, abrindo mão de trocas de veículos e viagens internacionais, mantendo apenas as despesas essenciais (lazer e GPs). Casamento deverá ser única e exclusivamente por separação total de bens, no caso de mulher de nível salarial igual ou inferior, ou comunhão, no caso de uma de família rica aparecer (muito difícil). Sim, irei aportar com o dinheiro da noiva, a la Viver de Renda.




Um abraço!


domingo, 1 de junho de 2014

Atualização Mensal - Maio de 2014

A única utilidade do futebol são as musas gostosas!

Nobres companheiros de Blogosfera,

Chegamos ao mês da Copa do Mundo no Brasil e o mercado acionário brasileiro está simplesmente de lado, bem como minha carteira. O mês de maio começou com uma bela alta e achei que fosse bater nos 550k. Porém, nas últimas duas semanas azedou tudo e fechei no vermelho. No curto prazo, isso é bem chato, mas temos que focar no processo: montar uma carteira com empresas lucrativas e consolidadas. Para tanto, não há nada melhor do que um mercado de lado. É interessante notar que o Ibov, apesar de não estar andando, não quer dizer ele esteja "calmo". Pelo contrário, a alta volatilidade de alguns setores, especialmente do financeiro, estragou um dos  meus lançamentos cobertos esse mês. Pelo menos não houve prejuízo, somente zerei a posição praticamente no break-even (BE) por precaução.

Tenho sumido ultimamente, pois os ótimos posts que o pessoal da Blogosfera tem produzido praticamente tornam desnecessária a minha presença. São posts filosóficos, técnicos, textos ótimos sobre FIIs e até mesmo dicas sobre dietas e som de carro (valeu Thales!). O que essa comunidade está fazendo vai render muitos frutos a longo prazo para quem acessá-la. O mais interessante é que o nível de tosquices é quase zero, graças à limpeza que El Rei Troll fez no início dos tempos. Infelizmente, o blog do Fake de Vida Boa continua lá, mas espero que em breve ele encontre justiça pelas besteiras que dissemina. Continuem assim, Discípulos d'El Rei!

Show the numbers, Your Grace!

"mimimi... evolução projetada... mimimi" - Não enche o saco porra!

Fechei o mês levemente positivo em +0,27%, graças ao aporte de R$ 7.000. Se deduzir esse montante, chega-se a uma rentabilidade mensal de -1,05%, ficando o anual sem aportes em +2,21%. Ou seja, o patrimônio está subindo carregado pelos aportes, pois o mercado acionário ainda não ajudou em nada. Do jeito que as coisas estão, fico feliz se o mercado não atrapalhar. O único papel que contribuiu de forma contundente para a queda foi BBDC4, despencando -5,87%, logo após eu zerar minha posição vendida em opções no BE... kkkk!

Como caminha na rua alguém com mais de 500k em ações...
Posição atual da carteira d'El Rei:


 


Resumo:
Aporte do mês: R$ 7.000,00
Proventos: R$ 2.867,75 (BBDC4, GGBR4, VIVT3 e GGBR4) - média mensal em 2014 igual a 16,58% do salário - meta: 100%
Bruto com opções: lucro de R$ 600 (ganhos em GGBRF45 e PETRF21. BBDCF37 zerada por precaução a 0,50). Posição aberta em GGBRG45 (0,17).
Compras: 600 GGBR4 a 14,41.
 
Não deixem de conferir o ranking de meu Guardião-Mor, aqui.
 
Um abraço d'El Rei!
 
"Tenho paciência e penso: todo o mal traz consigo algum bem."
- Ludwig van Beethoven (1770 - 1827), compositor e pianista alemão considerado um dos pilares da música ocidental -



quinta-feira, 1 de maio de 2014

Atualização Mensal - Abril de 2014

Heid Montag!

Povo de minha Blogosfera!

Abril foi um bom mês, com mais uma alta do IBOV. Foi também o mês do mimimi por conta da entrega da declaração do imposto de renda. Como ouvi choradeira, tanto ao vivo quanto na internet. Dá até preguiça mental de explicar que é impossível não existirem impostos e que deixar de pagar não vai resolver nada. Enfim...



Minha carteira também subiu, porém, fica a ressalva para a grande volatilidade de alguns papéis, o que me fez acionar um stop bem dolorido em opções de Bradesco. Fiquei puto, pois operei fora do método. Lembram que no post passado eu comentei que levei stops leves e que era hora de ficar de fora por um tempo? Eu não fiquei e operei emocionalmente, tentando adivinhar topos. Bom, os topos vieram, mas como trades não tem nada a ver com adivinhação, óbvio que levei fumo. Por um lado foi bom: eu estava numa sequência muito grande de vitórias e isso tende a inflar o ego. Além do mais, um operador nunca acerta o tempo todo e há dois tipos de prejuízos que todo mundo enfrenta: os stops normais e também aos erros mais grosseiros mesmo. Logo, o método tem que ser tão bom que proporcione um lucro capaz de cobrir esses dois tipos de prejuízos, sendo que os erros grosseiros não podem ser frequentes, pois é aí é culpa do operador e não da operação em si.

Mostre os números El Rei!


 Evolução patrimonial de +5,06%, com um grande aporte de R$ 20.000. Desconsiderando o aporte, a carteira aumentou +1,10%. Um tímida evolução frente ao índice, já que tomei violinos nas opções. Interessante notar como nas boas fases ninguém aparece para lhe dar os parabéns, como foi todo o ano de 2013. Porém, basta passar por uma fase ruim, que todo o trader já passou ou vai passar, que as críticas pululam. Vamos observar a saga dos donos da verdade buscando a operação perfeita. Os mesmos donos da verdade que levaram ferro em termos... rs

Posição atual da carteira d'El Rei:



Resumo:
Aporte do mês: R$ 20.000,00
Proventos: R$ 1.943,86 (BBDC4, PETR4, CCRO3) - média mensal em 2014 igual a 15,36% do salário - meta: 100%
Bruto com opções: prejuízo de R$ -2.540,00 (praticamente toda essa perda foi na venda de BBDCE34, que foi operação muito, muito ruim e fora do método). Posições abertas em BBDCF37 (0,52), GGBRF45 ( execução parcial de 700 opções a 0,16) e PETRF21 (0,18).
Compras: 100 VIVT3 a R$ 39,60, 600 GGBR4 a 13,07 e 400 TAEE11 a 19,60.
.




Não deixem de conferir o ranking de meu Guardião-Mor, aqui.


 
Um abraço d'El Rei!

"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha."
- Confúcio (551ac - 479ac), pensador e filósofo chinês; fundador do Confucionismo -


quarta-feira, 2 de abril de 2014

Atualização Histórica - R$ 500 mil atingidos!!!

Musa dos 500k! E de outros momentos também... hehehe

Povo de minha Blogosfera!!!

É com muita satisfação que anuncio, após insanas batalhas pessoais, sangrentos combates mano a mano contra a horda monobíceps e longos períodos dedicados à divindade Onã, o rompimento da barreira dos R$ 500 mil reais!!!

Com a forte alta do IBOV em março (+7,05%), minha carteira deu um incrível salto, deixando-me a meio caminho do primeiro milhão. Não sei se isso vai durar, mas é fato que está na hora de aportar pelo menos uma pequena parcela em renda fixa. Tenho estudado bastante o assunto. Na próxima atualização talvez os leitores vejam um pouco de TD em minha carteira.


Como estou me sentindo ao saber que sou meio milionário...
Vamos aos números!


Excepcional evolução patrimonial de +11,14%! E o aporte foi de apenas R$ 5 mil. Desconsiderando-o, a rentabilidade mensal ficou em +10,04%. Essa forte alta, porém, é um cenário adverso para as vendas cobertas. Realizei cinco operações no mês, tendo que interromper duas delas - em PETRE15 e BBDCE30. No anual, meu saldo com opções está em aproximadamente -R$ 455 líquidos. É hora de ficar fora do mercado e esperar a poeira assentar para voltar a lançar.

Posição atual da carteira d'El Rei:


Percebam que meu preço médio em CIEL3 mudou, pois ao atualizar a planilha com a bonificação de 100% (a partir de abril), notei que havia lançado dois valores errados. O mês também foi generoso para os proventos, como veremos abaixo. A meta agora é encher o carrinho de TAEE11, CCRO3 e uma empresa de consumo não-cíclico.

Resumo:
Aporte do mês: R$ 5.000,00
Proventos: R$ 5.221,76 (BBDC4, VIVT3, GGBR4 e CIEL3) - média mensal em 2014 igual a 15,63% do salário - meta: 100%
Bruto com opções: prejuízo de R$ -1.120,00 (ganhos em PETRD80, GGBRD17 e GGBRD16; perdas em BBDCE30 e PETRE15). Sem operações abertas.
Compras: 300 TAEE11 a R$ 18,70.
Não deixem de conferir o ranking de meu Guardião-Mor, aqui.
Um abraço d'El Rei!

"Primeiro eles te ignoram, depois riem de você, depois brigam, e então você vence."
- Mahatma Gandhi (1869 - 1948), advogado e líder do Movimento pela Independência da Índia -


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Atualização Mensal - Fevereiro de 2014

A bolsa me fode, mas elas me consolam... rs
Povo de minha Blogosfera,

Mais um mês vermelho na bolsa brasileira. IBOV fechou fevereiro caindo pouco mais de 1% e minha carteira deu outra sangrada. Ainda não olhei todos os balanços, mas os resumos que li não estão ruins. Petro veio ruim, mas longe de ser o desastre que eu esperava. Ainda vou olhar mais a fundo e farei uma reflexão, inclusive traçando um plano de saída.

Eu te entendo: se uma merda dessa mamasse minhas bolas, eu também teria uma tendência de baixa!
Tive perdas com WIN, mas não sei dizer exatamente quanto foi, pois o HB da corretora está de sacanagem comigo e não estou conseguindo acessar o site da CEI aqui. Como opero só um contrato, não foi muita coisa. O fato é que estou colocando essa operação na geladeira, pois está mais do que claro que não estou operando esse instrumento da forma correta. Perdi uma operação com opções do Bradesco também (ver resumo no final do post).

Vamos ao que interessa!


Houve boa evolução patrimonial de +2,88%, mas graças ao aporte grande de R$ 21.000. Devo passar uns dois meses sem aportar ou aportando pouco. Desconsiderando esse aporte, houve queda de -1,87% em fevereiro. O aporte foi usado para comprar principalmente BBDC4 e CCRO3. Esses papéis estão muito bons para serem desconsiderados.

Posição atual da carteira d'El Rei:


Como podem perceber, houve aumento ignorante em BBDC4 e CCRO3, além de um pouquinho de GGBR4. Devo fazer apenas mais um aporte no Bradescão - mais 500 ações - e encerrar as compras, assim como fiz com Cielo. Estranha sensação de se aproximar da barreira psicológica dos R$ 500 mil, mas estar cada vez mais distante dela...

Resumo:
Aporte do mês: R$ 21.000,00
Proventos: R$ 1.000,32 (BBDC4 e TBLE3) - média mensal em 2014 igual a 3,90% do salário - meta: 100%
Bruto com opções: prejuízo de R$ -500,00 (violino na BBDCC28, mas faz parte). Sigo vendido em PETRD80 (0,23) e GGBRD17 (0,25).
Bruto com WIN: não sei ao certo, pois deu pau aqui no HB, mas devo ter perdido uns 1500 pontos. Operei mal e contra a tendência. Voltando para o air.
Compras: 500 BBDC4 a 25,82, 500 CCRO3 a 15,09 e 200 GGBR4 a 15,07.

Não deixem de conferir o ranking de meu Guardião-Mor, aqui.

Um abraço d'El Rei!

"Os únicos limites das nossas realizações de amanhã são as nossas dúvidas e hesitações de hoje."
- Franklin Delano Roosevelt (1882 - 1945), 32º presidente dos Estados Unidos.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Proventos Recebidos 2013 e Venda Coberta


Salve meu povo!

Post atrasado, porém jamais sonegado! Entendedores entenderão! hahaha!

Em relação ao ano passado, houve aumento de posição exclusivamente na carteira de ações, onde me encontro totalmente alocado. Além disso, também tornei-me sócio de mais uma elétrica, a Taesa. O balanceamento dessa carteira conseguiu superar em muito o desempenho ruim do Ibov em 2013, mesmo com Petr4 me castigando.

Falando em Petro, ela não é minha única ação a cair (meu preço médio em Taesa é bem maior do que a cotação atual), porém é a única a me incomodar. Vários leitores e blogueiros questionam se eu não deveria ter a mesma atitude em relação à Gerdau.

Eu respondo que são casos muito diferentes.

Eu vejo a Gerdau como uma cia de sucesso, com ótima governança, mas que apenas passa por um ciclo econômico mundial que impacta diretamente em suas receitas. Ainda assim, ela apresenta lucro. Ou seja, eu consigo vislumbrar a empresa se recuperando no longo prazo.

Já a Petro, eu nunca achei bem administrada. Eu disse NUNCA! Mesmo na época da euforia dos mercados, a empresa não batia as metas de produção. Sou sócio, pois ela é um gigante quase monopolista de um dos setores mais lucrativos do mundo. Mesmo assim, minha alocação nela é pequena.

O que me incomoda na Petro não é a má administração. É o pré-sal! Como assim???

Explico.

Petro está praticamente apostando todas as suas fichas no pré-sal, com a maior dívida do mundo. Isso me incomoda muito! Quem garante que o pré-sal trará o retorno esperado? E se novas tecnologias surgirem? E se as atuais tecnologias forem aprimoradas e tornarem o oil menos atraente? Essas questões, eu deveria tê-las ponderado antes de fazer um novo aporte de capital na empresa...


Usina solar em Andaluzia, Espanha, produz energia até de noite


Após o momento mimimi, vamos ao assunto do post!


O valor dos proventos de 2013 praticamente dobrou em relação a 2012. Ultrapassei o valor de um salário mensal. Todos esses proventos foram devidamente reinvestidos.


Os números melhoraram pouca coisa, estando meu PY em 4,76%, o que é razoável. Sobre a valorização, minha carteira não performou tão bem quanto em 2012. Os destaques são Tractebel, com mais uma sólida valorização de 15,53% e Cielo, que novamente foguetou, com 44,06% de valorização.

Há um assunto polêmico na Blogosfera, que é a venda coberta de opções. Muitos acham que não vale o risco. Bom, vou postar minha tabela com os resultados e algumas estatísticas. Vou deixar que cada leitor tire sua própria conclusão.

Botão direito, opção "exibir imagem" e dê zoom
Vou encerrando por aqui!
Keep Trolling!